quarta-feira, agosto 16Programa Rolanda a Bola, de segunda à sexta às 7:00h

Morre François Thijn, ídolo do Remo

171846
wordpress themes https://i2.wp.com/rolandoabola.com.br/wp-content/uploads/2015/06/171846.jpg?resize=82%2C128 82w, https://i2.wp.com/rolandoabola.com.br/wp-content/uploads/2015/06/171846.jpg?resize=21%2C32 21w, https://i2.wp.com/rolandoabola.com.br/wp-content/uploads/2015/06/171846.jpg?w=589 589w" sizes="(max-width: 193px) 100vw, 193px" /> Francois Thim morreu aos 71 anos(foto de arquivo de o Liberal

0 ex-jogador do Remo François Thijm Faleceu nesta quinta-feira(15), às 18:00, no Hospital Porto Dias, em Belém, François, de 71 anos, de acordo com familiares,deu entrada ontem, 24, com problemas no pâncreas, tendo se agravado durante o dia .

O Remo perde com a morte de François Thym uma parte de sua história mais gloriosa. Goleiro que marcou época no futebol do Pará, arrojado e muito forte fisicamente, François era conhecido pelas defesas espetaculares. Justificou como poucos o sentido do termo paredão.  Vindo de Paramaribo em 1961, rapidamente conquistou a torcida azulina numa época em que jogadores forasteiros começavam a brilhar por aqui.

Com a camisa azulina, François ganhou o primeiro título do Norte, em 1968, em disputa que envolveu Tuna, Paissandu, Nacional, Fast Club, Ferroviário (MA), Moto Clube, Flamengo (PI) e Piauí. Na decisão em três jogos, triunfo sobre o Piauí. A escalação daquele time está na memória de todos os azulinos: François; China, Alemão, Casemiro e Edílson; Sirotheau e Carlitinho; Birungueta, Amoroso (Waltinho), Rubilota e Adinamar. Danilo Alvim era o técnico.

Já a Copa Norte-Nordeste foi ganha depois de duas tentativas frustradas. Bicampeão do Norte (1968 e 1969), o Remo foi finalistas duas vezes do chamado Nordestão, mas perdeu nas finais. Em 1971, finalmente, derrotou o Itabaiana (SE) dentro do Baenão, por 2 a 0, e conquistou o título do Norte e Nordeste.

François, que havia sido ídolo como atleta, era o treinador do time campeão, tendo sob seu comando a base do que viria a ser um dos maiores esquadrões azulinos de todos os tempos, a começar pelo goleiro Dico, que se tornou seu mais festejado sucessor. Anos depois, atestando seu grande conhecimento do assunto, indicaria também Edson Cimento ao clube.

Admirado pelo caráter e pela seriedade, trabalhou também como supervisor de futebol no Evandro Almeida e, nos últimos tempos, se dedicava a negócios pessoais. Foi professor de educação física e, em 1996, dirigiu o time do Bragantino. Morreu vítima de um câncer no fígado descoberto já em fase terminal. Estava com 71 anos.

François é figura de honra na galeria dos grandes goleiros do Remo, ao lado de Veliz, Jorge Baleia, Dico, Edson Cimento e Clemer.

Informações de Gerson Nogueira